Internação involuntária dependentes químicos

Internação involuntária dependentes químicos


Segundo dados do Levantamento Nacional de Famílias dos Dependentes Químicos (LENAD), a cada quatro brasileiros, um possui parentes em situação de dependência.

Além de ser um dado alarmante, ele traz à luz o sofrimento de milhares de pessoas, já que esta situação afeta todo o círculo familiar do dependente.

Infelizmente a dependência química ainda é vista por muitos como um problema de caráter e não como uma doença.  Os próprios dependentes são resistentes à ideia de procurar auxílio. Neste contexto, o papel de mães, pais, irmãos, cônjuges e filhos é fundamental.

Afinal, assim como é impensável alguém com um braço quebrado acreditar que irá se recuperar sozinho, é importante agir para que o indivíduo que sofre com este problema receba tratamento adequado. Nesse sentido, a internação involuntária pode ser uma saída necessária.

Por que optar pela internação involuntária?

A internação involuntária, como seu próprio nome indica, acontece quando o pedido de ajuda não parte do próprio usuário, mas de sua família, na maioria dos casos.

A legislação brasileira assegura este direito por entender a fragilidade dos dependentes nesta situação e que este é o caminho para que eles consigam se curar e não ofereçam riscos à sociedade.

Para isso, é preciso que os familiares obtenham um pedido médico do psiquiatra responsável pelo paciente, atestando a necessidade de internação do usuário e concordando que esta é a melhor maneira de ajudá-lo a se tratar.

Ela não pode ser confundida com outra modalidade de internação, a compulsória, que acontece sem a intervenção da família ou de outras pessoas próximas, mas de um juiz competente a pedido de um médico especialista.

A Clínica Recuperando Vidas trabalha seguindo os direcionamentos do Ministério Público e em até 72 horas informa ao Estado sobre a internação involuntária e o porquê de ela ter sido feita.

Se sentir que o dependente químico não está conseguindo procurar ajuda por si só, seja porque não acredita que esteja doente ou por outras razões, a família precisa entrar com um pedido para internação involuntária.

Como a internação involuntária acontece?

O tratamento para dependência química já se inicia no momento em que o pedido de internação involuntária é feito e autorizado.

A Clínica Recuperando Vidas busca fazer o resgate do paciente da maneira mais humanizada possível, contando com uma equipe especializada neste procedimento, com socorristas, psicólogos, médicos e enfermeiros.

Além disso, sabendo que este momento é extremamente delicado para a família do paciente, a clínica também oferece apoio psicológico para os entes queridos, estando de prontidão para ajudá-los nesta situação.

Para a comodidade de todos, a instituição conta com dois tipos de serviço a fim de remover os dependentes para as suas sedes em Piracicaba. A primeira é com uma ambulância, meio mais comum de abordagem.

Outra opção é a chamada remoção descaracterizada. Aqui, uma equipe sem uniformes conversa com o paciente para convencê-lo de sua internação. Este caminho é discreto e costuma evitar reações explosivas.

Entre em contato com a Clínica Recuperando Vidas e saiba a melhor estratégia para recuperar seu familiar.