Como saber se um dependente está próximo de uma recaída as drogas?

Como saber se um dependente está próximo de uma recaída as drogas?

Como saber se um dependente está próximo de uma recaída as drogas?

A dependência química nada tem a ver com a falta de caráter de um indivíduo. Ela é considerada uma doença e assim como qualquer problema que há na saúde física, a sua origem e seus sintomas devem ser investigados e tratados.

Hoje sabemos, a partir de estudos, que qualquer pessoa comum pode desenvolver algum vício quando se encontra em uma situação emocional difícil. O desemprego, o sentimento de frustração por não atender a um determinado padrão ou a existência de conflitos nas relações podem desencadear uma busca por drogas psicoativas ou o uso exacerbado de bebidas alcoólicas para aliviar o que se está sentindo.

Esta doença não tem cura, mas pode ser controlada pelo indivíduo para o resto de sua vida. Por isso, as recaídas são passíveis de acontecer, pois não consumir drogas é um desafio a ser enfrentado diariamente. Dessa forma, é importante conhecer os sintomas de uma possível recaída e como proceder se isso acontecer.

Sintomas mais frequentes de recaídas

  • Falta de compromisso com as atividades de recuperação. Após receber alta de um centro de atendimento, o indivíduo ainda deve manter uma rotina de tomar medicamentos, ir a consultas médicas e frequentar reuniões de grupos de apoio. Se ele começar a se ausentar destas obrigações, é hora de intervir;
  • Mudanças bruscas de humor, além de crises frequentes de ansiedade. Assim como no início do processo de desintoxicação, é comum que o usuário sofra com a abstinência. Ao ser reinserido na sociedade e voltar a ter contato com os fatores que abalam seu emocional, pode haver o retorno desta angústia e busca de alívio imediato das preocupações e episódios de depressão e transtornos mentais que podem se originar dessa abstinência.

Caso observe que alguém está a caminho de uma recaída, há algumas ações simples que podem ser feitas e podem ajudar mais do que você imagina. Veja algumas delas:

  • Tenha empatia: antes de qualquer crítica, demonstre que entende a situação e que oferece todo apoio possível para que a pessoa se mantenha em tratamento. Sentir-se acolhido faz com que o indivíduo tenha mais forças para se manter são;
  • Estimule a organização: ajude-o a ser organizado, preparando uma agenda de tarefas a serem feitas diariamente. Saber claramente o que precisa ser feito faz com que a ansiedade diminua.
  • Incentive a prática de esportes: praticar esportes também é uma ótima solução para quem está em recuperação. No caso da Clínica Recuperando Vidas, há aulas de Jiu- jitsu, nas quais se aprende a ter disciplina e respeito pelos colegas. Também há uma piscina para natação.
  • Mencione a possibilidade de retorno ao centro de tratamento: por vezes, a realidade ainda é tão difícil de ser enfrentada que muitos conviventes retornam para uma estada no espaço, a fim de se fortalecer ainda mais contra o vício.

Na Clínica Recuperando Vidas, os conviventes dispõem de toda a estrutura necessária para manter o seu processo de desintoxicação. Também temos a preocupação de acompanhar psicologicamente os familiares, a fim de dar o suporte necessário para que também consigam enfrentar este momento. Venha conhecer nosso trabalho!